28/05/2018 17:56:39
Cultura
Camerata Ero Dictus realiza concerto no Complexo Cultural Teatro Deodoro em homenagem a Fátima de Brito
Crédito: Fotos/ DivulgaçãoFátima de Brito, com a pianista Selma Britto e a soprano Eveline Rebelo, no Teatro Deodoro
Jorge Barboza

A Camerata Ero Dictus apresenta concerto especial no programa “Quartas eruditas”, na quarta-feira (30) na sala de música do Complexo Cultural Teatro Deodoro à rua Barão de Maceió, 375, centro da capital. A performance, gratuita, com direção artística do maestro Max Carvalho, fará uma homenagem à professora Fátima de Brito, morta no dia 25 de abril, vítima de enfarto, aos 75 anos.

“Ela tinha um câncer e fazia tratamento há anos, mas morreu do coração”, comentou o amigo, professor e cineasta Joaquim Alves. “Ela era uma excelente cantora, maestrina, professora e pianista.”

Fátima de Brito (à esq.), no lançamento do livro 'Caderno de Modinhas', em 2013

Com a coordenação vocal de Douglas Nascimento e direção instrumental de Elieser Cassimiro, o concerto da Camerata Ero Dictus mistura composições eruditas clássicas, como “Humoresque”, de Antonín Dvo?ák, a pérolas do cancioneiro nacional (“Luiza”, de Tom Jobim, “Minha Terra”, de Waldemar Henrique).

Rio-grandense nascida em Natal, Fátima de Brito graduou-se em Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Norte em 1963. Em 1974, formou-se em Canto, realizando mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1982. Gravou diversos discos, lançando em 2013 o livro "Caderno de Modinhas", com a transcrição de oito peças musicais do cancioneiro popular.

A Camerata Ero Dictus mistura repertório erudito com as canções clássicas da música brasileira

“Na parte dedicada à memória de Fátima de Brito”, informa a comunicação da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal), "a camerata apresenta 'Ave Maria', composta por Fátima de Brito, e ‘Courana’, coletada por Esther Pedreira, com concepção harmônica de Fátima de Brito e participação especial da pianista e professora, Rita Namé. ‘Courana’ é considerada peça emblemática, por ter sido utilizada nas aulas ministradas por Fátima de Brito.”

De acordo com a Diteal ainda, “são esperados cerca de 300 alunos da rede pública de ensino”.