02/04/2018 10:33:07
Cultura
Museu Coleção Karandash de Arte Popular e Contemporânea continua a realizar oficinas no Sertão
Crédito: Fotos/ Coleção Karandash/ DivulgaçãoCláudia Lins e Simone Cavalcante a bordo do barco museu do ponto de cultura Arte em Movimento
Urupema Jornalismo e Comunicação

O Museu Coleção Karandash de Arte Popular e Contemporânea, conduzido pelos artistas visuais Dalton Costa e Maria Amélia Vieira, realiza desde 2008 uma série de ações de arte-educativa na região do baixo São Francisco, no alto Sertão. O casal, que é proprietário da galeria Karandash no centro de Maceió, tem levado a comunidades ribeirinhas – Ilha do Ferro e Mato da Onça em Pão de Açúcar; Entremontes em Piranhas e diversos outros povoados na região do baixo São Francisco – uma série de oficinas de artes visuais, de fotografia e cinema e, mais recentemente, a partir de 2016, a “Festa Literária Ribeirinha”.

Na sexta-feira (6), Amélia e Dalton retornam ao Sertão para a realização de novas oficinas culturais até o domingo (7). Com o suporte de uma equipe de artistas e instrutores de arte-educativa – entre eles o fotógrafo Juarez Cavalcanti e a artista visual Rejeny Rocha –, os dois comandantes navegam pelo rio São Francisco a bordo do Barco Museu No Balanço das Águas, aportando em comunidades economicamente carentes, mas pródigas na produção de esculturas (em madeira e em argila) e bordados originais, compondo um riquíssimo universo cultural que extrapola os limites dessas localidades, a exemplo dos móveis e esculturas em madeira produzidas por artistas da Ilha do Ferro que ganharam o mundo. As oficinas são diversificadas, direcionadas às crianças, jovens e, também, aos adultos dos povoados visitados pelo museu.

Agentes de leitura participam da 'Festa Literária Ribeirinha', que aconteceu nos povoados Ilha do Ferro, Entremontes e Ilha de São Pedro

Com a criação em 2015, via Minc, do ponto de cultura Arte em Movimento, desde 2016 os projetos do Barco Museu No Balanço das Águas vêm sendo realizado com apoio do governo federal e de instituições como o Banco do Nordeste (BNB) e das redes de hotéis Ponta Verde e Ritz Lagoa da Anta, que patrocinaram através da Lei Rouanet a “Festa Literária Ribeirinha – Leitura no Balanço das Águas” (iniciada em 2016, estendendo-se até janeiro deste ano). Esta nova ação, realizada com a ajuda das escritoras e jornalistas Cláudia Lins e Simone Cavalcante, trouxe novas experiências à jornada de arte-educativa do Museu Coleção Karandash, inicialmente restrita às artes visuais e fotografia/cinema. A festa literária inovou, propondo o interesse pela criação de textos e pela leitura em si.

Mais de 750 livros selecionados por Cláudia e Simone foram repassados aos jovens estudantes e às crianças dos povoados visitados pelos desbravadores Maria Amélia Vieira e Dalton Costa e pelos criativos professores de arte que compõem a equipe desse braço sertanejo da Karandash que é o Barco Museu No Balanço das Águas – agora operando, também, como o ponto de cultura Arte em Movimento.

Crianças embarcam no universo da literatura participando de jogos lúdicos

Um curso de “Formação de Agentes de Leitura” ocorreu no povoado pãodeaçucarense Ilha do Ferro, que fica a 17 km da cidade, por sua vez distante 235 km da capital –, reunindo, ainda, educadores e jovens de outras duas comunidades ribeirinhas: Entremontes em Piranhas e Ilha de São Pedro, esta já no Estado de Sergipe, no outro lado do rio. O objetivo da oficina foi a formação de técnicos para narrarem histórias durante todo o desenvolvimento dos cursos, encontros e oficinas que aconteceram nessas comunidades a partir de 2016.

“O objetivo da ação é incentivar o gosto pela leitura entre os moradores dos povoados localizados às margens do rio São Francisco, em pleno Sertão”, conclama Maria Amélia Vieira.

O barco museu No Balanço das Águas foi transformado em ponto de cultura, pelo MinC, em 2015

Com duração de três dias, a “Festa Literária Ribeirinha” convidou os autores locais e grupos de cultura popular para interagirem com as crianças e jovens das três comunidades. “Eles passaram a integrar a programação artística do evento, que premiou, com kits de livros, as famílias mais leitoras entre todas que participaram das oficinas”, explica Amélia.

Além das jornalistas Cláudia Lins e Simone Cavalcante – coordenando as ações que envolveram leitores e os escritores em potencial dessas localidades –, Juarez Cavalcanti (que lançou no ano passado, junto com o poeta Sidney Wanderley, o livro “A Feira”, sobre a feira livre de Viçosa) conduziu uma oficina de Foto-Poemas. Maria Amélia Vieira ministrou oficina de Ilustração.