08/02/2018 16:42:58
Diversão e Arte
Bloco do Bobo, Sururu da Lama, Maracatu Raizes da Tradição são atrações do 'Carnaval da Rua Sol Nascente'
Crédito: Fotos/ Divulgação'Carnaval da Rua Sol Nascente' surge com a cultura do bobo
Da Redação do Alagoas Boreal

Em Maceió, no sábado de Zé Pereira, dia 10, acontece o “Carnaval da Rua Sol Nascente”, com o festejado Bloco do Bobo, que desde 2002 anima as ruas dos bairros centrais da Vila Brejal e do Bom Parto. A concentração começa às 14h e a saída em desfile pelas redondezas às 16h. Quem puxa a brincadeira é a Orquestra Mais Que Frevo, parceira da comunidade e do espaço Quintal Cultural para a realização da festa. O bloco Sururu da Lama, o maracatu Raízes da Tradição e o grupo de suingueira Deuses do Gueto também desfilam no carnaval da zona Sul.

O agitador cultural e um dos organizadores da festa, Rogério Dyaz, conta que o “Carnaval da Rua Sol Nascente” surgiu com a cultura do bobo. “Desde criança que fazemos, junto aos adultos. Todo ‘Sábado de Zé Pereira’ a gente se encontra e sai com o Bobo, as vezes em cima da hora, mas nunca deixamos de fazer. De um tempo para cá, algumas pessoas da rua começaram a se mobilizar, então nós abrimos e se tornou o ‘Carnaval da Rua Sol Nascente’, com o Bobo como principal símbolo da festa, e o carnaval como uma forma de integração da rua. Já são três anos com três blocos e inúmeras manifestações, com a participação das famílias da comunidade.”

'O Carnaval acontece como uma forma de integração da rua, é uma festa linda', afirma o realizador Rogério Dyaz

Uma das apoiadoras culturais da festa, a produtora cultural Keka Rabelo, diz que o pessoal sai em desfile para reverenciar o barro. “A nossa lama que é ancestral, que remete a sobrevivência do sururu, que remete às louceiras quilombolas, aos telhados das primeiras casas do nosso povo. Levamos a cultura periférica de matriz afro e popular, com o maracatu, o samba reggae, o ijexá, para o Carnaval.Enaltecemos a cultura do sururu, da zona Sul. Nós casamos com o coletivo Pau e Lata, que formou um núcleo em Alagoas, grupo este que atua em sete Estados do país.”

Com 20 anos, Sururu da Lama desenvolve trabalho artístico e pedagógico, utilizando instrumentos alternativos (reciclados e outros)

Também apoiam o “Carnaval da Rua Sol Nascente” a Secretaria de Estado da Cultura (a Secult) e o Pinto da Madrugada.