07/02/2018 12:16:48
Maceió
'Desfile das Escolas de Samba' reúne seis agremiações no sábado de carnaval
Crédito: Fotos/ Página FacebookFundada nos anos 2000, Gaviões da Pajuçara é escola tradicional do bairro da Ponta da Terra
Paulo César Moreira

Em Maceió, no Sábado de Zé Pereira (10), acontece o “Desfile das Escolas de Samba”. São seis agremiações que participam do concurso, que volta, este ano, com apoio da Secretaria de Estado da Cultura (a Secult). A festa acontece na orla da Ponta Verde, a partir das 20h30 e a concentração está marcada para 19h.

Uma das escolas que participam do evento é a Gaviões da Pajuçara, que já acumula 17 anos de história e movimenta o bairro da Ponta da Terra durante os festejos de Momo. "Já virou tradição, durante a preparação passamos a viver o Carnaval intensamente", conta José Hilton, presidente da Liga das Escolas de Samba de Maceió. Também presidente da Gaviões, José Hilton, ou apenas Prego, como é conhecido, diz que é no barracão, local onde a ornamentação para o desfile é produzida, que a mágica acontece. "Aqui nascem mais do que figurinos e carros alegóricos, nascem sonhos."

Sambistas da Gaviões da Pajuçara; ensaios e preparações começam meses antes do Carnaval

Prego conta que a fundação da Gaviões surgiu como para ele um "desafio". "A escola foi fundada num programa de rádio chamado 'Roda de Samba', da Gazeta de Alagoas, com o locutor Hélio Gilson. Eu fazia parte de um bloco de frevo, não de samba, e nesse dia tinha algumas pessoas de escola de samba no estúdio. Durante a entrevista, um dos ouvintes que estavam na linha, me desafiou dizendo que eu não sabia fazer escola de samba. Então naquele dia, sai de lá com a minha esposa, decidido a fazer escola de samba. Dai surgio, no ano de 2000, a Gaviões da Pajuçara, com a ajuda de algumas pessoas que até hoje fazem parte da escola."

"Todo ano é sempre uma surpresa, é tudo novo", entusiasma-se Josiel Santos, carnavalesco da Gaviões, cujo samba-enredo este ano é “Eduardo Canuto na Festa da Coroação”. Acompanhando a escola desde a fundação nos anos 2000, Josiel aposta no trabalho dos integrantes. "Este ano estamos levando cerca de 600 pessoas para a avenida. Para isso estamos trabalhando dia e noite, nos mínimos detalhes. A expectativa é muito grande."

Ensaios acontecem duas vezes por semana e reúne moradores do bairro

Como a folia no bairro se trata de uma tradição, desde cedo os pequenos são inseridos nesse meio. Com apenas 10 anos, Maria Eduarda, apesar da pouca idade, carrega este ano uma grande responsabilidade. A pequena puxa com seu cavaquinho, e junto a outros músicos, a escola para a avenida. "Eu gosto de estar aqui, é algo divertido. Toco desde muito pequena pois aprendi com meu pai. O carnaval com certeza é uma das festas que mais espero durante o ano", conta.

Para a Secretária de Cultura, Mellina Freitas, o desfile é uma forma de manter o Carnaval “vivo e bonito”. "Além do apoio para a realização do ‘Desfile das Escolas de Samba’, lançamos recentemente um chamamento público que investirá R$ 50 mil em blocos e agremiações que irão brincar na avenida durante o Carnaval.”