05/01/2018 12:34:24
Diversão e Arte
Drag queen Maju Shanii, em parceria com DJ Carlos Lins, lança videoclipe sobre empoderamento negro
Crédito: Fotos/ Divulgação'Sempre levantei a bandeira da comunidade negra', afirma Maju
Paulo César Moreira

Cantando a realidade na periferia com uma pegada pop militante, a drag queen Maju Shanii lançou em dezembro, em parceria com o DJ Carlos Lins, o videoclipe da música "Salto 15", uma produção que envolve empoderamento e arte drag.

A faixa, que tem letra assinada pelo cantor e compositor carioca Rian Guimarães, levanta a bandeira contra o racismo. O videoclipe gravado na Vila Emater, espaço onde se localizava o antigo lixão de Maceió, dá voz e espaço às pessoas da comunidade que sobrevivem da reciclagem de lixo.

'Não havia visibilidade para a arte drag', pondera Maju

Maju Shanii é nome artístico de Erick Hanon, 22 anos. Farmacêutico, ator e bailarino clássico, Maju atua há dois anos como performer e DJ. O atual cenário nacional de drags cantoras chamou a atenção da artista. O exemplo da são-luisense Pabllo Vittar, que em três anos, depois de assumir o pseudônimo artístico, alcançou reconhecimento nacional e internacional, motivou Hanon, ou Maju, a começar a fazer música.

"A vontade de fazer música sempre houve, porém não conhecia produtores que fizessem o estilo de música que eu queria seguir”, explica a cantora. “Mais do que isso, não havia visibilidade. Até que as coisas mudaram e em paralelo a isso conheci o Carlos Lins, que é DJ e produtor musical. A partir daí tudo aconteceu."

A dupla foi uma das atrações da festa de Réveillon "Virada 2018" que aconteceu no Armazém Uzina, no bairro do Jaraguá, onde diversas drags se apresentaram, entre elas, Pabllo Vittar.

Pabllo Vittar foi uma das atrações de festa de Réveillon que aconteceu no bairro do Jaraguá, em Maceió

Sobre a faixa "Salto 15", Maju conta que depois de finalizada, ela e Carlos pensaram que o videoclipe deveria seguir “a linha de empoderamento que a letra aborda e, principalmente, a estética como drag”. “Quem conhece meu trabalho, sabe que sempre levantei a bandeira da comunidade negra, desde o meu visual ao discurso como artista, e ao fazer um trabalho desse porte não poderia fugir disso. A história da música tem tudo a ver com a comunidade”.

Lins, com 24 anos, e produzindo desde 2009, fala de "trap" e "eletrônica" para falar da música que produziu com Maju. "Trap" é um estilo instrumental que se originou no rap, que traduzido do ingês, significa "armadilha da música". O DJ explica que o mercado deste seguimento está “favorável no Brasil”. “De certa forma também está se processando aqui em Maceió. Não temos muitos artistas que realmente fazem algo do gênero aqui, mas temos alguns que já tendem ou demonstram interesse. Inclusive tenho outras parcerias previstas para esse ano. A abertura do mercado para música pop cantada em português no Brasil está levando mais pessoas a quererem esse tipo de material.”

A música está disponível nas plataformas de streaming, e o videoclipe está no Youtube.