18/10/2017 11:01:52
Patrimônios
'Chá de Memória' aborda as crenças e os mitos alagoanos
Crédito: Fotos/ André Palmeira/ Agência AlagoasA diretora Wilma Nóbrega disse que 'as portas do Arquivo Público estão abertas para a sociedade'
Da Redação do Alagoas Boreal

Em Maceió, o evento “Chá de Memória” realizou nova edição na tarde dessa terça-feira (17), nas instalações do Arquivo Público de Alagoas à rua Sá e Albuquerque, no bairro histórico do Jaraguá. O site de notícias do governo reportou nesta quarta-feira (18) a reunião de artistas e intelectuais, cujo tema foi “Mitos e Ethos alagoanos – É de vera ou Brincadeira?”. O título – lembra a agência Alagoas – faz “um trocadilho com o nome da própria palestrante, Vera Lúcia Calheiros, ao mesmo tempo em que menciona uma expressão popular alagoana”.

Professora, historiadora e antropóloga, Vera Lúcia Calheiros discorreu sobre as crenças e os mitos recorrentes no Estado. Segundo a reportagem publicada esta manhã, Vera citou “desde Calabar até o domínio holandês no Brasil”.

Tânia Pedrosa: 'Leio muito sobre as crenças e mitos alagoanos'

A artista visual Tânia de Maya Pedrosa disse não ter “prestigiar o evento”. “Na verdade, eu fui prestigiada com ele. Acabei de voltar de viagem, mas não podia perder o ‘Chá de Memória’ hoje.”

Para Tânia, o evento “Chá de Memória” tem um papel a cumprir. “Eu fiz questão de vir à palestra. O assunto é, sem dúvida, muito interessante e afeta a vida de todos os alagoanos. O tema me chamou muito a atenção, já que leio muito sobre os mitos e crenças de nosso Estado.”

Responsável pela realização da série de palestras do “Chá de Memória”, o secretário de Estado do Gabinete Civil, Fábio Farias, destacou “a honra” de poder promover o evento “junto ao Arquivo Público de Alagoas”. “É com ações públicas desse tipo que apoiamos os alagoanos a aprofundar seu interesse pela história de seu próprio Estado para além de datas esporádicas, como o 16 de setembro, por exemplo. Alagoas tem muito mais a ser contada e merece ser apreciada”, conclamou.

Para a diretora do Arquivo Público, Wilma Nóbrega, reportou a Agência Alagoas, “a palestra da professora Vera Calheiros contribuiu para o resgate e valorização do conjunto de costumes, ideias e crenças do povo alagoano”. “É o nosso dever abrir as portas do Arquivo Público para a sociedade”, compromete-se.